quinta-feira, 15 de setembro de 2016

PARA QUE SERVEM AS CASA QUANDO TODOS PARTIRAM


para que servem as casas quando todos partiram – deixar o corpo atrás de si como uma casa vazia e ir embora, apenas isso, uma viagem rápida, fácil, correr as cortinas, apagar as luzes, fechar a porta atrás de si, nem sequer tão longo como o tempo de pensá-lo, nada tenho a explicar, quero apenas ir-me embora, as casas têm risos, chaminés, chapéus alto de feltro e luvas verdes, vestidos com fitilhos saindo de arcas da memória, trazem berços nos braços e correm ao nosso encontro como animais vivos, são quentes, loucas, imprevisíveis, fúteis, com os seus cortinados de folhos, as suas camilhas longas, os seus vidros brilhantes e os seus metais polidos, as suas botas cor de tijolo e os seus telhados inclinados, por onde escorre o tempo, mas às vezes morrem e é preciso cobri-las de terra para não suportar o horror de vê-las decompor-se, é preciso atirar depressa com pazadas de terra e deixá-las invisivelmente decompor-se, até deixarem de existir e serem levadas pelo vento.


Sem comentários: