quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

MAS DESANIMAR, ISSO NÃO!!!




A carta que a seguir se transcreve, de José Saramago para José Rodrigues Miguéis, gira à volta de considerações sobre a publicação, pela Estúdios Cor, de A Escola do Paraíso, no Natal de 1960 - «Estamos a trabalhar em grande estilo para que A Escola do Paraíso seja o seu presente de Natal ao leitor português», prometera Saramago a Miguéis.
Numa nota de rodapé desta carta pode ler-se: Miguéis escreve por cima «é romance». Sabemos, no entanto, que críticos como Óscar Lopes, por exemplo. Disseram não ter lido A Escola do Paraíso como um romance, o que desagradou a Miguéis.

Carta datada de Lisboa 14 de Outubro de 1960:

Acha realmente aconselhável, ou conveniente tirar do livro a designação «romance»? Pois não será ele um «romance» que é, ao mesmo tempo, um «panorama de uma infância lisboeta»? Pelo que vejo, os meus reparos provocaram-lhe um problema de classificação que não me parece justificável nem estava no meu intuito levantar. Romance é – e como tal será publicado e lido. E não queira saber da bitola dos críticos peguilhentos, no número dos quais, neste caso, me incluo…
E então esse ânimo que se diz vacilante e desesperançado? Tirando os casos da sua vida que, como diz, o estão atormentando de indecisões, e digo tirando porque esses são o nosso tributo de homens que mil prisões tolhem e limitam – que outra coisa se pode esperara desta miséria rasteira e indigna que a si mesma vaidosamente se chama «a intelectualidade portuguesa»? Em Portugal, os bons e os puros não podem trabalhar para, mas sim contra. Trabalha-se para num país são, arejado, vivo, num país como está o nosso, só se pode trabalhar contra: contra a hipocrisia, contra a maldade que se oculta e fere sob a capa da mansidão e da amizade. Mas, pensando bem, esta terra sempre assim foi: e esse é que é o verdadeiro «mal português», a formiga branca que nos rói as energias.
Às vezes dá ganas de desanimar, isso dá. Mas faça a sua obra, deixe-os rosnar e morder, ignore-os. Lembre-se de que é só para o leitor que escreve, esse leitor que, no outro dia no comboio, enquanto eu revia as provas da Escola, lia no banco da frente a Léah - «O Natal do Dr. Crosby»… este é que é o sujeito-de-boa-vontade-gosto que deve interessar-lhe acima de tudo. O resto são os oficiais do mesmo ofício, é a inveja, é o prémio Camilo Castelo Branco que ainda não acabou de passar na garganta de certas pessoas, é o escritor «americano» que vem tirara o lugar aos que cá estavam e viviam na suave e inefável contemplação do próprio umbigo, é a safadeza, a pulhice, a velhacaria que dá palmadas no ombro e punhaladas nas costas.
Sus, cavaleiro, ao infiel! E se o não puder derrubar a lançadas, dê-lhe com a lombada da Escola! Mas desanimar, isso não!!!
O Canhão está apurando contas, a ver em que ponto está o «deve e haver» da nossa contabilidade consigo. Breve receberá notícias e dólares.


Sem comentários: