segunda-feira, 7 de novembro de 2016

OLHAR AS CAPAS


A Quarta Invasão Francesa

Alexandre Pinheiro Torres
Editorial Caminho, Lisboa, Outubro de 1995

«Deve ser essa a filosofia de de Mabilde.»
«Talvez.»
«Mas a Mabilde acredita em alguma coisa que não seja o dinheiro?»
«Acredita em coisas que tu nunca sonhaste. Acredita que o Alentejo será um dia dos alentejanos, cada pedaço de pedra, ou árvore ou rio. E acredita mais, o que é talvez de rir, que a única maneira de tê-lo é expulsar os ricos não pela força, mas pelo dinheiro. Vamos comprá-lo. Comprá-lo, percebes? Comprá-lo aos ricos, palmo a palmo.»
«És uma grande crente. Também partilhas desse sonho?»
«Eu já pertenço aos privilegiados. Herdámos este monte. O monte dos Patanitas. Uma Grande horta. Talvez à custa dos roubos do meu avô guarda-fiscal e de meu pai, depois dele.»
«Então o teu pai é guarda-fiscal e não me dizias nada? Vou-me embora então.»

«Vai com o teu Deus, disse Elvira. «Lembra-te, porém, que as noites de Verão são mais frescas que as tardes. No Inverno são até mais frias. Noites em que não há nada que nos aqueça. Espero ver-te em breve. O mais depressa possível. Um conselho: nunca largues a tua Paravellum, mas não digas a ninguém que a tens contigo.»

Sem comentários: